Imprensa

Notícias

Empresa

Líder Consciente

Por Cintia Lima

14 de novembro de 2022 às 16:36 Compartilhe

Imagem: Reprodução

Existe uma real importância em deixarmos que os conteúdos inconscientes sejam revelados, pois até nos tornarmos conscientes de nossas ações, eles dirigirão nossas atitudes e muitas vezes chamaremos isto de destino, de má sorte ou qualquer outra justificativa quando os resultados não chegam ou quando os relacionamentos não se consolidam.

Neste sentido, quando somos líderes mais conscientes tão mais os comportamentos serão escolhas e não apenas reações, bem como as tomadas de decisões serão integradas entre o emocional e o racional.

Não lembro exatamente onde li que a consciência disfuncional equivale à fase inicial da montanha. O alpinista não consegue enxergar nada a frente dele que não seja a montanha. A consciência relativa equivale ao meio do caminho. Ele já consegue ver algo além da montanha; sua vista sobre o horizonte já é um pouco melhor que a vista anterior, mas ainda é parcialmente encoberta pela montanha. Já a consciência plena equivale ao topo da escalada, onde nada mais encobre a vista do alpinista. Do ponto mais alto, conseguimos ver todo o horizonte a nossa frente, sem nada para ofuscar a nossa visão.

Quando os líderes estão com visão embaçada acabam por não demonstrar as características positivas mais marcantes em sua personalidade, perdem a oportunidade de serem verdadeiros e profundamente autênticos.

Com esta visão, vale muito a frase: Não seja refém do seu eu inconsciente, permita-se se autoconhecer.

Há muitos hábitos em nós que partem do nosso inconsciente, vamos reproduzindo e reproduzindo atitudes, permitindo que toda a nossa vida seja pautada por um fator quase que determinante. Nem sempre tomamos consciência do que nos puxa para baixo e nem por quais motivos isso acontece.

Ao descobrir estes fatores será possível persuadir em impor, ensinar e também aprender, orientar sem criticar, planejar sem paralisar e tantas outras inúmeras ações pensadas para melhor interação entre as pessoas, os seus devidos processos e necessidades.

No entanto, se não tomarmos consciência real dos nossos atos, vamos minando a nossa força de vontade e ficando para trás na nossa própria vida.

Perceba que muitas pessoas, ou até você mesmo, já se deparou com a sua vida estagnada em algum âmbito, você já tentou de diversas formas que algo acontecesse, mas sente que aquilo não flui naturalmente com você, mas com as pessoas ao redor funciona perfeitamente. O problema, muitas vezes não está em você, mas na sua história, no que foi ensinado ou até mesmo no que ouviu quando estava na barriga da sua mãe ou ainda muito pequeno.

Quando você lidera sem o conhecimento e tratamento desta criança ferida, carregamos um crachá da infância e simplesmente agimos com tudo e com todos a partir desta dor. Sem percebemos tratamos com os liderados com estas reações pouco adequadas para um papel de liderança eficaz.

Para entender melhor como acontece é preciso mergulharmos em quem somos. Avaliar como somos influenciados pelo meio em que estamos inseridos.

Aprendemos primeiramente por repetição, o nosso primeiro contato com o mundo é pelo sentido da audição, vamos ouvindo e internalizando coisas sem nem mesmo querer.

Mas como tomar consciência dessas atitudes e reverter o que deve ser revertido?

Perceba o que hoje está parado na sua vida, olhe com cuidado a sua história e trajetória até aqui. Use a técnica do exame de consciência e tome nota de quais situações parecem sem saída, verifique se isso repete-se com uma frequência indesejada por você, se assim o for, comece a se questionar por quais motivos isso acontece, o que te leva a tomar as atitudes que toma, por que não consegue reverter a situação; é só tomando essa consciência de si mesmo, que você começa a agir de forma contrária a isso.

É quando tomamos o caminho contrário ao que estamos habituados a fazer e não vemos retorno que conseguimos virar a chave para alcançar o que almejamos.

O autoconhecimento é um eterno diálogo consigo mesmo, é um constante questionamento em busca do seu eu mais profundo, daquilo que pode ser mudado, modificado, ajustado. Só assim, fazendo esse trabalho de formiguinha que você consegue compreender por quais motivos a sua vida está da forma que está ou por que alguns problemas não se resolvem nunca.

Entenderá porque sua equipe age desta maneira, porque os seus resultados estão desta forma, porque os seus pares tratam assim as situações de sua área, inclusive porque está nesta profissão e “escolheu” este trabalho. Porque mesmo você lidera?

Autoconhecimento é uma chave para abrir portas que te levarão a conquistar aquilo que você procura e o sentido que direciona a sua vida. Fará você liderar a pessoa mais importante: VOCÊ MESMO!

 

Cintia Lima

Psicóloga, Mentora de Líderes e Master Coach

@psi.cintialima

 

Fonte: Jornal do Commércio

Buscar

Compartilhe

Líder Consciente

Guia de Associados